Como começar um negócio próprio

Como começar um negócio próprio

Por Artigo de Wallace Castro. Postado em 23/02/2018. Última atualização em 14/05/2019.

Tempo estimado de leitura: 27 minutos.

Saber como começar um negócio próprio é um grande passo para a independência profissional, e a realização de um sonho para a maioria dos brasileiros.

Esse sonho é tão especial que não pode se transformar em um grande pesadelo, e para evitar isso, é preciso estar atento a erros e gastos desnecessários, problemas que podem ser evitados com algumas precauções.

Claro que começar um negócio próprio não depende apenas de vontade, existem variáveis internas - aquelas que você pode controlar:

  • estoque;
  • contas a pagar e receber;
  • melhorar processos;
  • salários;
  • fazer cortes de pessoal, e outras tantas.

E as externas - aquelas que você não pode controlar:

  • inflação;
  • taxa de juros;
  • a economia;
  • a concorrência;
  • fornecedores;
  • clientes, e outras tantas.

Planeje e controle ao máximo as internas.

Foi pensando nisso que criamos este guia para você, e ao final, você vai entender como começar um negócio próprio, com dicas práticas e eficazes para ter sucesso.

CONTINUAR LENDO

Entenda o seu perfil empreendedor

Você sabia que existem diversos tipos de empreendedores.

Alguns arriscam-se mais enquanto outros preferem ter mais segurança.

Alguns começam negócios do zero enquanto outros optam em investir nas franquias com uma marca já sólida e conhecida.

Qual é exatamente o seu perfil?

Ao responder essa pergunta, será possível entender como começar um negócio próprio que tenha realmente aptidão, além de ser essencial, você trabalhará naquilo que realmente gosta.

Não pense que existe algum tipo de fórmula mágica, para empreender é preciso esforço, paciência e muita dedicação, então fazer algo que goste e que combine com a sua personalidade ajuda e muito

Antes de saber como começar um negócio próprio medite em:

  • Por que deseja começar um negócio próprio?
  • Quer apenas ganhar a vida ou ficar milionário empreendendo?
  • Pensa em construir uma carreira corporativa?
  • Você gosta de rotina?
  • Você aguenta pressão?
  • Gosta de desafios diários?

Responder a essas perguntar ajudará você a identificar seu perfil.

Saia do comum

Bem agora que já respondeu às perguntas acima, você realmente quer começar um negócio próprio?

Então você já deve ter uma ideia sobre o segmento que deseja empreender, mas ainda assim há uma infinidade de possibilidades.

Por essa razão, busque oportunidades que ainda podem ser exploradas e gerar lucro.

É certo que o mercado está cada vez mais competitivo, mas sempre há espaço para empreendimentos inovadores, como negócios digitais.

Então busque sair do comum, fazer algo diferente do que já é feito e que possa garantir mais competitividade.

Viabilidade da ideia

Muitas pessoas têm ideias brilhantes e inovadoras e até sabem como começar um negócio próprio.

No entanto, as estatísticas mostram que mais da metade das empresas criadas no Brasil fecham antes de completarem dois anos.

Uma das principais razões para isso está na inviabilidade da ideia.

Antes de tudo, é necessário considerar se realmente existe um público para o serviço ou produto que você deseja oferecer, se o custo do mesmo será competitivo no mercado, se ele irá satisfazer uma real necessidade ou desejo, dentre inúmeros outros fatores.

Uma ferramenta fundamental nessa etapa é o plano de negócios, que define o negócio em seus mais variados aspectos, servindo como uma ferramenta estratégica.

Um plano de negócios ajuda e muito

Defina seu produto ou serviço

Pode parecer óbvio, mas nem todo empreendedor formaliza a definição de seus produtos ou serviços.

Por mais que as definições pareçam autoexplicativas, como “alimentação” ou “roupas”, entendê-los de maneira mais profunda pode ajudar a ampliar o seu potencial de sucesso.

Por exemplo, um “restaurante” também pode ser segmentado como “restaurante para pessoas com preferência por massas”, por exemplo.

A ideia aqui é estabelecer os limites iniciais do que você pretende proporcionar ao seu público, dando uma noção clara da experiência que o cliente deve esperar.

Com o tempo, você pode expandir e elaborar melhor esse conceito, mas uma definição mais específica será mais simples de lidar nos primeiros meses de trabalho.

Identifique seu público-alvo

O próximo passo do seu plano de negócios é definir qual será seu público-alvo.

Alguns empreendedores acreditam que a melhor decisão é não restringir sua base de possíveis clientes.

Mas, na verdade, isso apenas reduz seu potencial de taxa de conversão e pode prejudicar a consolidação do seu empreendimento.

A forma como você delimita esse público pode variar.

Vários aspectos, como faixa etária, local de residência ou de trabalho, poder aquisitivo, entram em jogo nessa classificação.

Um bom ponto de partida é consultar os padrões do mercado, fazer pesquisas de opinião e calcular quais as estimativas a partir dos dados coletados.

Quanto mais informações você reunir antes de começar, melhor.

Estabeleça metas de curto, médio e longo prazo

A falta de um objetivo concreto pode prejudicar a disciplina na condução do negócio e fazer qualquer profissional esmorecer, principalmente se ele for o dono da empresa.

Simplesmente reproduzir padrões ou tomar atitudes sem embasamento, sem saber qual será o resultado, certamente não é uma boa maneira de manter a estabilidade de uma atividade, seja ela qual for.

Especialmente em tempos de alta concorrência, é preciso definir quais as metas a serem atingidas pela sua empresa.

Então, antes de começar, estabeleça os objetivos da sua empresa.

  • Em curto prazo, as metas podem ser bem simples, como “deixar todos os pedidos sempre em dia”.
  • Em médio prazo, o target pode ser um pouco mais elaborado, como “renovar trimestralmente suas campanhas de marketing”.
  • Por fim, sua meta de longo prazo pode ser um tanto mais ousada, como “assumir a liderança regional na área de atividade do seu negócio”.

Crie alguns planos de contingência

Na realidade, entretanto, o mundo raramente tende a seguir os mesmos planos que você desenvolveu para o seu negócio, então como começar um negócio próprio com segurança?

Quase sempre você será confrontado com situações inconvenientes e imprevistas, em que seus planos originais não parecerão tão claros e nem serão mais tão tangíveis.

Porém, como gestor, você precisa estar preparado para esses imprevistos, prevendo possíveis falhas e criando planos de contingência para resolver cada uma delas.

É o famoso plano B que, entretanto, não pode divergir totalmente das metas estabelecidas no seu planejamento estratégico de negócio.

A grande vantagem desse tipo de planejamento é que te capacita para reagir rapidamente em qualquer adversidade.

Afinal, muitas situações desvantajosas podem ser corrigidas e revertidas com uma reação rápida e eficiente, minimizando ou eliminando riscos e diminuindo os potenciais prejuízos.

Quais serão os investimentos, despesas fixas e variáveis do negócio

Vimos como começar um negócio próprio precisa de bastante informação. Se sua ideia realmente é viável, está na hora de analisar aspectos práticos da mesma.

O primeiro deles diz respeito ao investimento necessário para colocar o negócio em funcionamento, isto é, o capital que deve ser aportado para que seja possível realizar a compra de equipamentos, contratação de mão de obra, insumos e matérias-primas, dentre outros.

No entanto, para continuar funcionamento o negócio também precisa de investimento, manifesto através dos custos fixos, que são aqueles que não variam conforme o volume de produção, e dos custos variáveis, que oscilam conforme o volume da produção, a exemplo dos impostos.

Fizemos uma Planilha de Fluxo de Caixa para ajudar a controlar seus gastos.

Defina o capital inicial e capital de giro

Como começar um negócio próprio sem dinheiro?

Nos primeiros meses de funcionamento, o negócio irá dar despesas que não serão compensadas pelo lucro, que será baixo.

Por isso é fundamental ter uma reserva financeira (capital inicial) para cobrir os custos nesse período.

Além disso, deve-se reservar o capital de giro para garantir que o negócio continue funcionando, voltado a compra de matéria-prima, compensação das compras realizadas a prazo, dentre outros.

Plano de negócios exemplo

O Plano de Negócio é algo tão importante que a gigante Microsoft disponibilizou um exemplo de plano de negócio muito legal, veja ele:

Plano de negócios from Cesar Souza

Quais cuidados você deve ter com seu plano de negócios?

Prender-se demais ao planejamento

Como acabamos de falar, nenhum cenário real será exatamente como o que você planejou.

Por isso, além de ter planos secundários, é importante que você mantenha alguma flexibilidade e “jogo de cintura” ao longo de todo o caminho.

Se alguma situação se revelar completamente fora do previsto, você talvez precise tomar uma decisão imediata.

Então, não fique se amarrando demais ao planejamento inicial.

Consulte-o. Mas se necessário, faça um desvio.

Depois, com um pouco mais de calma, avalie se é possível retomar o planejamento anterior ou se será necessário refazê-lo de acordo com a nova realidade.

Perceba que o plano deve servir como diretriz estratégica para a condução do seu negócio, mas não deve ser encarado como cláusula pétrea incondicional.

Muitos negócios acabam se perdendo justamente porque seus donos insistem em planos que já deram errado.

É o que acontece, por exemplo, quando a ideia original do negócio não foi bem executada, mas o empreendedor insiste que terá lucro se persistir.

Talvez você precise fazer um ajuste antes de seguir em frente.

Desconsiderar dados do negócio.

Não importa em que fase do planejamento você está e nem quanto tempo a sua empresa já está no ramo.

É preciso observar e registrar tudo. Afinal, você precisa saber se tudo está seguindo na direção certa.

Para isso servem os indicadores de performance, que devem ser sempre registrados e continuamente avaliados.

Com esses números em mãos, você vai compreender melhor o impacto dos resultados no seu negócio, diagnosticando se está caminhando na direção correta e identificando formas de reverter ou potencializar o cenário, quando necessário.

Ignorar o desempenho da concorrência

Alguns profissionais dão muita ênfase à “originalidade” de seus serviços e soluções e simplesmente se esquecem de que a sua empresa não está atuando sozinha.

Lembre-se: o mercado é dinâmico e há novos negócios surgindo a todo momento.

Obviamente é essencial que o seu produto (ou serviço) tenha diferencial(is) e identidade própria, que sirvam como elementos de destaque dentre as ofertas da concorrência.

Mas isso não significa que você deva ignorar a atuação dos concorrentes.

No mínimo, seus rivais servirão como uma ótima fonte de aprendizado e inspiração.

Se você não considerar o fator concorrência no seu plano, pode replicar erros que já foram cometidos (e solucionados) em outros negócios ou pode não perceber uma reversão radical nas tendências de mercado.

Subestimar a importância do conhecimento

A verdade é que boa parte dos empreendedores que investem em seu primeiro negócio o fazem sem muito preparo pessoal.

Acredite: não basta apenas saber como começar um negócio próprio, ou conhecer o seu core business, pois qualquer negócio é bem mais complexo do que oferecer um bom atendimento ao cliente ou cumprir com eficiência o processo de produção.

É importante que o gestor estude para ter noções básicas de administração, saber lidar com finanças e entender como as legislações podem afetar o seu empreendimento.

Alguns investidores buscam alternativas, como fazer parte de uma franquia, em que parte dessas responsabilidades são assumidas pela franqueadora.

Ainda assim, você não pode ficar totalmente leigo nesses temas.

Então de onde virão os recursos financeiros?

Todo negócio precisa de recursos financeiros, seja para comprar os equipamentos iniciais ou para adquirir o licenciamento da marca, no caso de uma franquia.

Mas como obter o capital necessário? Veja algumas das principais fontes:

  • capital próprio;

  • empréstimo (de banco, familiares, amigos);

  • financiamento;

  • incentivos — como premiações;

  • crowdfunding (financiamento coletivo);

  • cartão de crédito.

A escolha da fonte ideal vai depender de muitas coisas, como o tamanho do negócio que deseja abrir e o capital que já possui disponível.

Fontes como cartão de crédito e empréstimo não são aconselhadas, especialmente pelas altas taxas de juros.

O Ideal é você fazer um planejamento financeiro antes de montar o seu negócio.

Formalize seu negócio

Abrir legalmente um negócio depende de uma série de documentos, especialmente no Brasil.

Segundo o Banco Mundial, demora-se 79,5 dias para abrir um negócio, além de uma lista de 11 procedimentos legais (licenças e documentos). Veja alguns dos principais:

  • alvará de localização e funcionamento;

  • inscrição estadual;

  • licença ambiental;

  • vistoria de cumprimento de normas de segurança.

Caso o negócio seja criado em sociedade, é indispensável elaborar o contrato social.

No contrato social é definido a participação de cada um dos sócios, as principais atividades da empresa e outras questões de ordem (como o processo para sair da sociedade, caso um dos sócios deseje).

Também é necessário realizar o registro na Junta Comercial de seu estado, pois é através dessa inscrição que o número do CNPJ é gerado.

Como são muitos os procedimentos, é importante contar com a ajuda de um contador.

O contador é o profissional mais indicado para apontar as licenças e processos necessários — afinal, o número pode variar de acordo com o segmento de atuação de cada negócio.

Considere investir no modelo de franquias

Mesmo em períodos de crise, o segmento de franquia foi um dos que mais cresceu nos últimos anos.

O principal motivo desse sucesso é que esse modelo de negócio permite empreender com mais segurança, aumentando as chances de obter lucro ainda no primeiro ano de investimento, reduzindo o trabalho burocrático e contando com a ajuda especializada de alguém que já entende tudo do negócio: o franqueador.

Um estudo realizado pela Rizzo Franchise revelou que o percentual de mortalidade de negócios na área do varejo é de 23% no primeiro ano, número que cai drasticamente para apenas 3% no caso das franquias.

A razão desse sucesso é que por trás do empreendimento já existe uma marca sólida, conhecida pelos clientes e respeitada pelos concorrentes.

Também há a vantagem de investir em modelos de microfranquias, que que demandam um investimento financeiro inicial menor e reduzem ainda mais os riscos.

Muitas, inclusive, oferecem a possibilidade de trabalho home office, eliminando custos estruturais.

Veja o case de sucesso de um modelo de microfranquias digitais que faturou 50 mil em um mês.

Este modelo permite ao empreendedor alcançar sua independência profissional sem deixar de passar tempo com a família nem investir um capital inicial muito alto.

Não tenha medo de colocar a mão na massa!

Existem diversos mitos que rondam os empreendedores, e por isso é comum ter certo receio de tirar sua ideia do papel.

Algumas pessoas dizem que empreender é para quem tem sorte, mas na verdade, começar um negócio é para quem tem iniciativa!

Há quem ilustre o empreendedor como alguém que não tem tempo para nada além de trabalhar, o que também é um mito.

Muitos investidores equilibram perfeitamente a jornada empreendedora com o emprego tradicional, dedicando-se ao próprio negócio sem deixar a segurança de lado em um primeiro momento.

É claro que o dito popular é uma verdade "o olho do dono que engorda o gado", então mantenha o foco!

A realidade descrita acima se torna ainda mais fácil quando o investimento escolhido é uma franquia digital.

Além da facilidade de poder resolver tudo pela internet, sem perder tempo com deslocamento nem deixar a família de lado, o empreendedor ainda economiza por não precisar gastar com aluguel de um ponto físico, pagamento de funcionários, contas e outras despesas.

Essa ideia atende as suas necessidades? Ótimo!

Agora, basta encontrar uma plataforma segura e customizável para colocar seu negócio em prática exatamente como você planejou.

A Liguesite é especializada em modelos de franquias e oferece o melhor modelo de negócio de franquias online do Brasil.

Assim, sua franquia é desenvolvida com foco nas suas necessidades de forma eficiente, segurança e com total suporte.

Por fim veja um comparativo prático de qual a melhor opção: franquia ou negócio próprio?

Somos conectados e conectamos pessoas, via internet.

Seja estratégico, conecte-se.

Aficionado por empreendedorismo, graduado em Tecnologia, Marketing e Economia, já geriu áreas comerciais de diversas empresas de tecnologia, participa como voluntário do ITFB e ICM, atualmente é o Diretor Comercial e Marketing da rede de Franquias Liguesite.

Liguesite

O blog Liguesite oferece conteúdo de marketing digital gratuito para empreendedores alcançarem resultados positivos em seus negócios com a internet. Nós queremos ajudar você e a sua empresa também!

Liguesite Matriz

ENDEREÇO

Rua Antonio Daniel Dalcuche Filho, 27
Curitiba
Paraná

 

ATENDIMENTO

(11) 4063-2828   |  (21) 4062-7834
(31) 4062-7934   |  (41) 4063-9808
(48) 4062-1878   |  (71) 4062-9878
(81) 4062-9802   |  (85) 4062-8442

[email protected]

© 2018 Liguesite. Todos os direitos reservados. Leia nossa Política de Privacidade.