Curso de SEO

Curso de SEO

Por Comunicação Liguesite. Postado em 18/04/2018. Última atualização em 18/04/2018.

Tempo estimado de leitura: 45 minutos.

Como surgiu o SEO?

Dizer exatamente onde surgiu o SEO, é o mesmo que dizer com precisão quando a roda foi criada. Sabemos que existe uma data e é difícil definir qual ela é, mas não devemos pensar tanto em sua origem e sim, em sua contribuição para o nosso dia a dia.

Mas para quem curte saber uma data, podemos dizer que o SEO nasceu em algum momento de 1991. Desde então, ele vem evoluindo rapidamente e tornando-se muito importante, basta ver o quanto o Google dá importância para ele.

Com o tempo os buscadores foram ficando populares e muito utilizados, foi então que os webmasters (profissionais que desenvolvem tarefas tanto de um webdesigner quanto de um webdeveloper) começaram a se preocupar como seus sites apareceriam. Foi então que eles descobriram que ao implementar algumas ações simples, os resultados dos buscadores poderiam ser manipulados. Assim foi descoberto como fazer dinheiro com na Internet.

Caso você queira trabalhar e ganhar dinheiro seja produzindo Sites, Lojas, Portais, AdWords, SEO e E-mail profissional, ou até mesmo sendo um afiliado de vendas, entre em contato conosco agora mesmo e faça parte da família que tem a maior agência de marketing digital do Brasil.

O problema, é que os sites que apareciam nos buscadores não tinham relevância nenhuma. É aí meus amigos, que finalmente começa a história do SEO.

CONTINUAR LENDO

História do SEO?

Os buscadores basicamente filtravam os resultados que tinham as palavras da consulta dos usuários. E só.

Os donos dos sites repetiam várias e várias vezes as palavras desejadas no site para conseguir melhorar seu ranqueamento e aumentar o tráfego do seu site, o que produzia números atraentes para potenciais anunciantes.

Quando Segey Brin e Lawrence Page criaram o Google, em 1996, eles queriam resolver esse problema que tinha se instalado.

Foi a primeira vez que ouvimos falar no PageRank, a tecnologia da Google que ajuda a classificar os resultados de pesquisa com base na qualidade e não apenas nas palavras-chave. Foi aí que começou SEO (otimização para mecanismos de busca, em tradução livre) como conhecemos hoje em dia.

O que é SEO?

Agora que sabemos como o SEO surgiu, precisamos saber o que é SEO.

Bom, pra você que nunca ouviu falar em SEO, ele é um conjunto de técnicas usadas para otimizar sites, blogs, portais e lojas virtuais.

O objetivo central do SEO é fazer com que os sites possam alcançar as melhores posições durante uma busca orgânica, aumentar o seu tráfego e criar autoridade para o seu site.

Precisamos entender como os nossos consumidores pensam, para que os nossos sites apareçam nas primeiras posições do buscador. Existem três tipos de pesquisas nos buscadores para analisar:

1. Pesquisa navegacional

Essa é a busca em que o usuário já conhece o seu site ou nome da sua empresa. Algumas pessoas até mesmo digitam a url completa no buscador.

Os usuários podem, por exemplo, buscar por “Liguesite” no navegador para encontrar o site da Liguesite ou até mesmo o seu endereço.

Quando isso acontece, são mínimas as chances do usuário entrar em outra página.

2. Pesquisa informacional

Sabe quando você abre o Google e procura por franquias? Você está fazendo uma pesquisa por informações.

Diferente do primeiro tipo de pesquisa, quando o usuário busca alguma informação não sabe bem qual o tipo de conteúdo que procura, o que torna a busca muito ampla.

Quando o blog da sua empresa aparece nas primeiras posições dessa pesquisa, é muito bom.

3. Pesquisa transacional

A pesquisa é transacional quando um usuário faz uma pesquisa com a finalidade de comprar um produto, encontrar alguma loja, realizar alguma transação online.

Esse tipo de pesquisa vale muito, principalmente para um e-commerce.

Conhecer o tipo de pesquisa e ter o seu público bem definido, são importantes para que o conteúdo seja relevante, bem ranqueado e atinja o público certo.

O principal objetivo de buscadores como o Google é oferecer a melhor experiência do usuário.

Independente se a pesquisa for navegacional, informacional ou transacional, o usuário é o centro do universo e por isso se uma empresa ou uma marca oferecem conteúdos relevantes, para multiplataformas e que oferecer uma boa experiência, tem a chance de ocupar uma melhor posição no ranqueamento.

Links patrocinados ou SEO?

Essa pode ser uma pergunta difícil de se responder. Mas vamos tentar ser práticos. Antes de mais nada, os links patrocinados complementam o SEO e vice-versa. É válido também dizer que são duas coisas bem diferentes.

Enquanto os links patrocinados são pagos. Quando você faz anúncios bem elaborados, com uma página destino relevante, para multiplataformas e com carregamento rápido, você pode atingir a primeira colocação. Mas, você sai daqui quando para de investir.

Já o SEO é todo um trabalho que exige muito trabalho, feeling e o mais importante, paciência.

Quando você alcançar a primeira página, vai poder permanecer ali enquanto seu conteúdo for relevante. Mas o mais legal disso é que você pode atualizar o conteúdo, o layout, a experiência do usuário de tempo em tempo e permanecer naquela posição por muito tempo. Existem muitos sites que não são atualizados, mesmo assim conseguem manter a primeira posição nas buscas, o motivo? Podemos nunca descobrir a resposta, pois depende do próprio Google.

Vantagens e benefícios do SEO

Investir ou não em SEO? Eis a questão! Muitas pessoas ainda sentem alguma resistência em investir em SEO. Por isso, quando você oferecer para o seu cliente, pode apresentar três grandes vantagens:

  • você gera credibilidade para a Empresa;
  • você pode atrair novos clientes com as pesquisas;
  • ganha mais tráfego orgânico para o seu site.

 

CURSO DE SEO: Title SEO e H1, H2, H3,...

Agora que conhecemos um pouco sobre o que é SEO e qual a sua finalidade. Vamos partir para alguns itens importantes que você precisa cuidar. O nosso primeiro item é a Tag Title, também conhecido apenas como “Título da Página”.

O título é um dos itens mais importantes que existem para o posicionamento de um site no Google, isso se não for o mais importante. O Google tem o papel de mostrar os resultados mais relevantes referente à sua pesquisa. O título de uma pesquisa, vai mostrar para o usuário o que ele vai encontrar se clicar naquele link.

Podemos comprar isso a um comercial de TV. Enquanto eles têm apenas 30 segundos para cativar a atenção de alguém, você tem um título de distância de fechar uma negociação.

Você deve estar atento à algumas regrinhas básicas na criação dos seus Title.

#1 O Title deve ter mais que 53 caracteres e menos que 60;

#2 Sempre inclua a palavra-chave no seu título, de preferência, mantenha o máximo possível à esquerda;

#3 Seja criativo!

O que é H1, H2, H3,....?

As Heading Tags (H1, H2, H3, ...) são alguns recursos em HTML usados para a criação de títulos e subtítulos para páginas e conteúdos. O H1 é o mais importante de todos, pois é o título de um texto por exemplo.

Observação: Vale ressaltar aqui que o H1 e a Tag Title são duas coisas diferentes. A Tag Title é o título da página, ela vai aparecer na sua aba do navegador. Enquanto o H1, é por exemplo o título de um conteúdo no blog.

Um exemplo bem legal para pensar no H1, H2, H3 e assim por diante, é só pensar na seguinte ideia: o H1 é o planeta terra, o H2 é o Brasil, o H3 é o Paraná e assim diante.

Assim como a Tag Title, o H1 deve ter entre 53 e 60 caracteres.

A partir da H2, você deve usar a sua imaginação e usar com sabedoria. Lembra daquela frase do tio Bem? “Com grandes poderes vem grandes responsabilidades”? Então. Os subtítulos devem ser fluídos e construir o texto.

Crie títulos que envolvam o leitor e os façam sentir desejo de seguir em frente. Não precisa escrever um livro no subtítulo, também não precisa exagerar.

CURSO DE SEO: Meta Description

O que são Meta Description?

Sabe quando você faz uma pesquisa no Google e aparecem os resultados?

Tem um título (a title tag), a URL da página e uma descrição, certo? Então, essa descrição é a meta description, ou “meta descrição”.

Esse pequeno texto é exibido pelo Google para que os usuários tenham conhecimento sobre o que se trata a página.

A meta description não influencia no posicionamento do artigo, mas ela é fundamental para que as pessoas sintam-se atraídas pelo conteúdo e cliquem em seu link.

Lembra quando fizemos um comparativo no outro vídeo com o comercial de 30 segundos? Assim como a Title, a meta description deve ser criativa para atrair novos leitores para o seu site. Você tem “uma olhada” para chamar a atenção, caso contrário, pode perder um possível cliente.

Para não dar erro, crie uma meta description entre 120 e 156 caracteres.

Querem uma dica?

Os caracteres podem ter pesos diferentes. Por exemplo, usar muitas letras maiúsculas e letras “grandes” ocupam mais espaço. Por exemplo, usar “os” tem um peso diferente de usar vários “is”. Tente exemplificar as descrições.

Querem mais uma dica?

Ok, lá vai. Sabe quando você pesquisa algum assunto e aparecem sitelinks junto? Por exemplo, ao pesquisa G1 no Google, aparecem as páginas que compõem o site da G1. Isso são sitelinks. Eles possuem no máximo 50 caracteres. Como você não pode fazer uma meta description curta e depois uma mais longa, crie um resumo do site nos 50 primeiros caracteres, e complemente com os outros.

Desse jeito, as meta descriptions que aparecem no sitelinks não ficam cortados.

CURSO DE SEO: Palavras-chave

 

Quer saber qual o melhor caminho para chegar ao topo das pesquisas no Google? A resposta é bem simples: escolher as palavras-chave certas.

O que torna isso tudo tão difícil? O trabalho para chegar lá. Sabe aquele ditado “10% inspiração e 90% ação”? Pois então, é basicamente isso que estamos falando.

Escolher as palavras-chave para o conteúdo em um site, para um conteúdo no blog, para a descrição dos produtos na loja virtual é um caminho árduo. Mas que quando bem feitos, os resultados podem ser incríveis.

O que é palavra-chave?

Bom, quando fazemos uma pesquisa no Google ou em qualquer outro buscador, digitamos uma palavra ou até mesmo uma frase, como por exemplo “franquias” ou “franquias de marketing digital”.

“Franquias de marketing digital” passa a ser o norte da pesquisa e então, o buscador faz um mapeamento da Internet para encontrar resultados relevantes e que condizem com o que estamos buscando.

Ao criarmos um site, portal ou até mesmo uma loja virtual usando as palavras-chave certas e respeitando todos os processos de SEO, o site, com o tempo pode ganhar novas e posições no ranqueamento e ser visto pelos usuários certos, na hora certa.

É importante frisar que as palavras-chave são reflexo de como o mercado está reagindo aos produtos e serviços, por isso são tão importantes e fundamentais.

Imagine. O Brasil possui mais de 21 milhões de empresas ativas nesse começo de 2018 e temos certeza que esse número pode aumentar. Pode ter certeza que boa parte dessas empresas não possuem um site.

Independente se o seu site é local ou até mesmo internacional. Um site é uma porta e entrada, um cartão de visitas, é o seu portfólio digital. Quando buscamos por uma empresa, queremos encontrar informações sobre ela, não apenas uma página em uma Rede Social. Queremos pesquisar e encontrar a informação, e quando não achamos ficamos frustrados.

Não existe um momento certo e ideal para criar um site, mas sinceramente? Quanto antes, melhor. Quando você usar as palavras-chave certas, o seu site vai indexando nos buscadores e você vai ganhando posições.

Como procurar uma palavra-chave

Uma coisa é certa, você precisa fazer uma senhora pesquisa antes de adicionar as palavras-chave nos conteúdos do seu site, em seu portal de notícias e loja virtual.

Lembre-se da seguinte regra: NUNCA, NUNCA MESMO VÁ SÓ PELO “ACHISMO”, você pode ser intuitivo com uma base, mas não só porque você gosta da palavra. Faça uma pesquisa antes de apostar em uma palavra-chave, só assim os resultados vão aparecer e o seu site ser rastreável.

Quer mais uma regra? Ok, nunca perca a paciência. Você precisa produzir, testar, ajustar e esperar. É um ciclo sem fim.

Indicamos duas ferramentas muito boas para fazer uma boa pesquisa. Existem muitas opções no mercado, por isso você não precisa se prender a essas duas somente.

Ferramenta 1: SEMrush

Você não deve apenas abrir o navegador, entrar em um buscador e digitar um termo. É mais complexo que isso e exige dedicação.

O SEMrush é uma ferramenta completa. Para usá-la, basta fazer um registro no site. Após fazer o seu login, você terá acesso ao painel de acesso, o dashboard. Ele consegue juntar todos as ferramentas de uma pesquisa de palavras-chave em um só lugar.

Ao pesquisar por uma palavra-chave na ferramenta, você consegue ter acesso a um grande universo de outros termos que estão ligadas a ela.

A ferramenta pega como base as pesquisas de 30 países e o Brasil está entre eles. São mais de 2,4 bilhões de palavras-chave disponíveis no banco de dados e pode ter certeza que esses números só vão crescer.

Os resultados das pesquisas feitas vão mostrar para você informações como:

  • volume de tráfego daquela palavra;
  • CPC médio;
  • densidade de concorrência;
  • resultados e tendências;
  • palavras-chave relacionadas.

Com esses dados, fica muito mais fácil você construir uma estratégia a partir de palavras-chave relevantes, que são buscadas pelo seu público-alvo. Não somente porque você acredita que essa palavra-chave vai te levar para a primeira página.

Para ter acesso a tudo isso e muito mais, você vai precisar desembolsar uma mensalidade que pode ser personalizada para a sua empresa ou a partir de 99 dólares mensais.

Ferramenta 2: Planejador de palavras-chave do Google

Diferente do SEMrush, o planejador do Google é gratuito e foi criado para planejar as palavras-chave dos anúncios pagos. Mas você pode usá-lo para planejar as palavras-chave do seu site, blog e produtos da loja virtual.

Entre as principais vantagens de usar essa ferramenta, segundo a própria Google, é que você pode pesquisar pelas palavras-chave e ainda encontrar outros termos relacionados a ela, a partir da página de destino que você escolheu que você incluiu no início da pesquisa.

Além disso, você terá acesso a estatísticas e aos volumes de pesquisa para o termo escolhido. A única diferença, é que não devemos usar o planejador como única fonte de pesquisa, ele deve ser como uma base para planejamento, para criar a base, servir como orientação e organização. Por isso acabamos indicando outra ferramenta mais robusta.

Quantas vezes usar uma palavra-chave em um conteúdo?

Já sabemos que o SEO surgiu porque as pesquisas não tinham qualidade, eram replicadas várias vezes em um texto irrelevante para o leitor. Por isso, agora devemos usar a palavra-chave com sabedoria, para não termos problemas com os buscadores.

Replicar muitas vezes a palavra-chave é uma prática de keyword stuffing e o Google acaba punindo todos os sites que fazem isso.

Você pode perder posicionamento e vai demorar para conseguir uma boa colocação no ranqueamento por causa disso.

O Google não diz quantas palavras deve-se ter um texto, pois é algo muito relativo. Depende muito quantas palavras compõem o texto, a frequência que usa, onde usa e assim por diante. Mas você pode seguir uma estrutura simples de usar sua palavra-chave:

  • 1x no título (preferência que fique o máximo possível na esquerda);
  • 1x na H1 e 1x na H2 ou H3;
  • de 2 a 5x em todo o conteúdo;
  • 1x na meta description;
  • 1x no alt text da imagem;
  • 1x na url;
  • 1x no nome da imagem.

Latent Semantic Indexing (LSI)

As latent semantic indexing, ou palavras-chave semânticas, são as palavras relacionadas à palavra-chave do conteúdo.

O Google usa essa proximidade semântica para entender do que o nosso conteúdo está se referindo, para que o usuário receba conteúdos relevantes na sua pesquisa.

Não queremos pesquisar sobre uma coisa e ler algo que não tem absolutamente nada a ver com a nossa pesquisa.

Lembra quando contamos a história do SEO, quando falamos que os textos tinham palavras-chave que não correspondiam com o conteúdo? Pois então. O algoritmo foi aprimorado e isso ficou para trás.

Por isso é necessário criar um conteúdo relevante para as palavras-chave. E no final, é isso que o torna diferente da concorrência.

Não seja genérico, seja bem direto e específico.

CURSO DE SEO: Imagens e Conteúdo Relevante

Imagens otimizadas para SEO

Sim! Até mesmo a imagem que você usa em seu site deve ser otimizado no SEO.

O robô do Google não sabe ainda ler imagens, ele lê apenas html. É por isso que devemos cuidar muito do título e do alt text de uma imagem que usamos para publicar em um site.

O que é alt text?

O alt tag tem a função de descrever a imagem para o robô. Essa é a parte que será lida pelo Google e ele saberá que se trata de algo relevante para o usuário.

Para o Alt Tag funcionar, é necessário que você descreva informações como o lugar onde a imagem foi criada, o que a compões e tudo mais. Evite usar as “stop words” (palavras irrelevantes para o conjunto de resultados que serão exibidos nos sites de pesquisa) palavras como “para, de, com, os, as” e assim por diante.

Literalmente menos aqui acaba sendo muito mais. É claro que evitar as stop words não significa criar frases mal construídas e sem sentidos. Muito cuidado nessa hora.

E o título (title) da imagem?

O título é um complemento do alt tag de uma imagem. O título vai descrever também o que é a imagem, porém, de uma maneira mais simplificado que o alt text. De preferência, use a palavra-chave no título, para melhorar a otimização.

O título também é quem gera o “tooltip”. Sabe quando colocamos o cursor sobre a imagem e aparece uma caixinha com texto? Então, esse é o título da imagem.

O Tamanho ideal da imagem

A extensão do seu arquivo, pode influenciar e muito o tamanho final dele.

Existem muitas extensões disponíveis, mas para o seu site não ficar muito lento por causa das imagens pesadas, você precisa escolher o tamanho certo.

Na ferramenta Ligue SEO da Liguesite existe uma integração com uma dessas ferramentas, tudo automático para facilitar sua vida!

O Google sempre dá preferência para sites que carregam mais rápido. Por isso, o tamanho da sua imagem afeta indiretamente a otimização de um site.

O tamanho ideal, para que o site continue tendo um bom desempenho, seja o menor possível desde que não perca a qualidade necessária, porém nunca use imagens com mais de 500 kb.

Conteúdo Relevante

Produzimos muitos conteúdos em nosso blog falando sobre conteúdos relevantes. É muito importante para um site ter um conteúdo relevante, ou seja, que forneça informações úteis aos seus leitores.

Para o Google, isso é muito importante, caso contrário, o seu site pode não ser indexado e deixar de ser ranqueado no buscador. O resultado? Você não será encontrado pelo seu público.

Para evitar tudo isso, vamos passa cinco dicas fundamentais de como criar um conteúdo relevante para o seu público.

#Dica 1: Saiba tudo sobre o seu público.

Não adianta mais definir se o seu público são homens e mulheres, entre 18 a 40 anos, com ensino superior.

Esqueça as pesquisas rasas, você precisa realmente conhecer o seu público a ponto de saber sua rotina, seus gostos, como ele pensa e como vai procurar, indiretamente, por aquilo que você está oferecendo.

Isso vai ser o seu diferencial, além de aumentar as chances de oferecer um conteúdo exclusivo e bem elaborado.

#Dica 2: Organize suas ideias, pesquise e produza um conteúdo por vez

Você sabe sobre o que quer falar? Já tem a estrutura do conteúdo em sua mente? Não digo apenas o conteúdo para o blog, mas para o seu site, sua loja virtual. Estruturar tudo aquilo que você quer falar sobre a empresa, separar as palavras-chave e escrever um bom conteúdo é fundamental para criar um conteúdo relevante.

Seu público está lendo aquilo que eles querem ou que você acha que eles querem? Existe uma grande diferença entre os dois pontos. Por isso, é necessário que você pesquisa, pesquise e pesquise.

E outra coisa, tente não misturar muitos assuntos, o ideal é falar de uma coisa por vez. Sabe aquelas conversas que você se perde no meio do caminho porque não sabe o caminho que ela seguiu? Isso pode ser muito chato, principalmente quando você está tentando conquistar alguém.

#Dica 3: Traga ideias novas

Criar assuntos interessantes e novos, até mesmo com um ponto de vista novo pode ser algo muito bom para criar um conteúdo relevante. Até mesmo os leitores ficam saturados com algum tema, por isso você precisa apresentar seu conteúdo de um jeito diferente e criativo.

Quantas vezes já paramos para ler alguma coisa e quando chegamos no ponto final temos a impressão que já lemos aquilo em algum lugar?

Por isso esse é ponta a pesquisa, de novo, é muito importante! Uma pesquisa mais aprofundada de um tema pode demorar, mas, com certeza você vai levantar novas questões para os leitores, coisas que eles ainda não tinham pensado antes.

#Dica 4: Faça um planejamento dos conteúdos

Esse é uma dica muito importante principalmente se você vai criar um blog para o seu site. Mas quem disse que não pode ser implementado para um site institucional ou um e-commerce? Faça um planejamento de tudo o que você precisa criar. Dessa forma fica mais fácil você organizar os conteúdos e fica mais fácil os usuários se acharem dentro do seu site.

E quanto ao blog, É fundamentar criar um planejamento para você entender como o conteúdo será usado, qual o seu objetivo com eles e muito mais.

#Dica 5: Revise

Pode parecer algo bobo, mas a revisão é algo fundamental. Não somente pela ortografia, que deve estar em dia, mas que você revise a questão da semântica, objetivos, relevância do conteúdo, o aprofundamento do assunto, as imagens que estão sendo usadas, o call to action e por aí vai. Cuide sempre dos detalhes, pois são eles que podem determinar o posicionamento do seu site no ranqueamento de buscas.

CURSO DE SEO: Cauda Longa

O que é Cauda Longa?

Bom, o termo cauda longa tornou-se muito popular com um livro publicado por Chris Anderson, chamado “A cauda longa – do mercado de massa para o mercado de nicho”.

O termo ficou muito popular pois consegue exemplificar a estratégia de alcançar um nicho específico do mercado, ao invés de querer atingir o todo.

Por exemplo, quando pesquisamos por “franquias”, estamos atingindo pessoas que querem saber informações sobre franquias, saber o que são, que querem buscar quais os tipos de franquias que existem no mercado e assim por diante.

Agora, se pesquisamos por “franquias de marketing digital”, nós conseguimos focar em um nicho do mercado que já sabe o que são franquias, quais os segmentos que existem no mercado, e que de certa forma, está decidido em conhecer especificamente as franquias de marketing digital, como a Liguesite.

As pesquisas mais “genéricas”, possuem maior demanda. Mas, as pesquisas que fazem parte da cauda longa, são as que possuem menos demanda, mas possui um público mais especifico, o que não significa que não possui uma variedade também.

As palavras-chave de Cauda Longa

Dentro do fenômeno cauda longa, existem também as chamadas “long tail Keywords”, ou, as palavras-chave cauda longa.

Como elas são específicas, geralmente são formadas por três ou mais palavras. Elas criam uma frase que acaba representando essa busca mais personalizada e diferente, tanto para quem vai realizar uma compra e até mesmo na otimização de um site.

A ideia é deixar os termos genéricos de lado, para alcançar pessoas que querem um conteúdo mais especializado.

Pode parecer um pouco arriscado, mas pode ter certeza, que a estratégia de cauda longa aumenta as possibilidades do seu site, portal de notícia ou loja virtual ser encontrado pelas pessoas certas. Isso sem falar que você pode ganhar alguns pontos com o Google.

A cauda longa faz com que os usuários encontrem o seu negócio de maneira mais fácil.

Você terá menos rejeição e ainda pode aumentar as buscas no Google.

Assim como no vídeo de palavras-chave. É muito importante que você fala uma pesquisa e um planejamento antes de definir as suas palavras-chave cauda longa.

Como você vai atingir um público muito específico, se escolher as palavras erradas, a sua estratégia pode acabar dando errado.

CURSO DE SEO: Dicas de SEO

01: Use as redes sociais

Publicar conteúdo do blog nas redes sociais e ter o ícone das redes sociais no rodapé do seu site ajudará os seus consumidores a validar que você é uma empresa de ultima geração, e ainda o Google dará uns pontos para o seu website.

02: Atualização constante do seu site ou blog

Isso certamente traz engajamento, aumenta a visibilidade e melhora seu ranqueamento nos buscadores, ajuda nas redes sociais, te faz se destacar da concorrência.

LEMBRANDO QUE O CONTEÚDO DEVE SER RELEVANTE.

03: Link Bulding

É o item mais trabalhoso em SEO.

Resumindo, link building é o ato de conseguir links de outros sites. Os buscadores dão valor que outros sites fazem referência ao seu site. Porque?

Bom, porque isso faz com que o seu site seja referência em um assunto. Lembra na época da escola, quando tinha uma pessoa popular? Que todo mundo fala de você bem de você? É exatamente a mesma coisa.

Outros sites estão falando que vale muito a pena conhecer o que você tem a dizer e isso para o Google, é algo muito relevante. Por isso, seja adepto ao link building.

Só é importante frisar que não é qualquer tipo de site. São sites bons, não um site duvidoso.

04: Guest Post

Basicamente, o guest post é quando você pode publicar um conteúdo como um convidado em outro blog. Existem muitos benefícios para essa prática como:

  • alcançar nova audiência;
  • pode se posicionar como uma autoridade no assunto;
  • conseguir link building de qualidade.

Nunca mas nunca compre Guest Post.

05: Texto Âncora

O texto âncora é muito utilizado nos blogs. Porque?

Bom, imagine que você está falando sobre o que é uma franquia. No meio do texto, você faz uma referência sobre franquias de marketing digital.

Por incrível que pareça, você tem um conteúdo bem bacana sobre marketing digital. Você cria um link na palavra “marketing digital”, para o seu leitor clicar e conhecer o texto.

Você não precisa misturar conteúdos, mas direciona o usuário para outro texto e isso permite que ele fique mais tempo navegando em seu blog. Isso é muito importante para a otimização SEO.

06: Experiência do Usuário

A experiência do usuário é um assunto bastante complexo, criamos em nosso blog um conteúdo especial falando sobre isso.

Mas quando falamos na experiência do usuário, pensamos na melhor experiência que ele pode ter em seu site.

Não somente de conteúdo, mas de layout, de navegabilidade, velocidade de carregamento e muito mais.

O site deve ficar fácil para os seus usuários, não somente porque você acha ele bonitinho e acha que está bom assim. Pense sempre em seu público-alvo. Só assim ele vai se sentir à vontade em navegar em seu site.

07: Google Meu Negócio

Criar um Google Meu Negócio permite que as pessoas encontrem a sua empresa e loja, além de ver as avaliações, fotos do estabelecimento e você ainda pode adicionar o seu site, para quem está buscando mais informações.

08: Copywriting

O copywriting nada mais é que escrever um conteúdo persuasivo. Que vende. É uma arma usada por grandes empresas e personalidades para convencer um público a tomar uma decisão rapidamente.

É algo original, onde você pode contar uma história para o seu leitor. No final, quem estiver lendo o seu texto, vai concordar com aquilo que você está falando.

09: CTAs

Seguindo a mesma linha do copywriting, as CTAs servem para chamar a atenção de alguém e incentivá-lo a realizar uma ação.

CTA significa “call to action” ou, “chamada para a ação”. É como se fosse um botão como: “baixe agora o nosso ebook”, “compre agora o nosso produto” e assim por diante. É muito importante usá-lo com inteligência nos sites.

10: URL Amigável

Cuidar para ter uma url otimizada. Evitar letras e números confusos, usar palavras-chave, exemplo:

Uma URL amigável é “www.meu-site.com/conteúdo”, em um exemplo real ficaria assim "www.liguesite.com.br/franquia-de-marketing-digital/".

E um exemplo de URL não amigável seria “www.meu-site-com-detalhes-desnecessários.com/conteúdo-123-xyz”.

11: White Hat e Black Hat

O White hat são as técnicas usadas por uma pessoa, ou empresa, para fazer algo permitido por um órgão. No Google por exemplo, fazer tudo o que explicamos até agora, é uma prática White hat.

Os resultados podem demorar, mas com certeza vão aparecer, se você fizer tudo certo.

Já o black hat são as técnicas usadas por um pseudo profissional para fazer algo que vai contra a política de um órgão. No caso do Google, é usar texto ou links ocultos, uso exagerado de palavras-chave, criar conteúdos repetidos em várias partes do site e muito mais.

Busque na internet e conheça atentamente as políticas do Google e nunca aceite fórmulas milagrosas para colocar sua empresa no topo das pesquisas.

É MUITO IMPORTANTE QUE VOCÊ NÃO USE AS PRÁTICAS DE BLACK HAT, o Google vai punir o seu site, seja perdendo as posições ou até mesmo excluindo o seu site das pesquisas!

CURSO DE SEO: Ferramenta de SEO

Agora vamos praticar tudo o que aprendemos nas teorias acima com a ferramenta Ligue SEO, ela é pratica e tem trazido muitos resultados para empresas, veja Como a criação de um site otimizado fez uma empresa aumentar 1500% do seu faturamento!

Iremos dar continuidade na ferramenta de SEO na prática, acompanhe:

Também preparamos algumas dicas comerciais caso você queira trabalhar com a venda de SEO.

E por falar em trabalhar e ganhar dinheiro com marketing digitalfale conosco agora mesmo e faça parte da família que tem a maior agência de marketing digital do Brasil.

A missão das Franquias de Sucesso é juntos conectar pessoas ao seu negócio por meio da internet!

Seja estratégico, conecte-se!

Liguesite

O blog Liguesite oferece conteúdo de marketing digital gratuito para empreendedores alcançarem resultados positivos em seus negócios com a internet. Nós queremos ajudar você e a sua empresa também!

Liguesite Matriz

ENDEREÇO

Rua Antonio Daniel Dalcuche Filho, 27
Curitiba
Paraná

 

ATENDIMENTO

(11) 4063-2828   |  (21) 4062-7834
(31) 4062-7934   |  (41) 4063-9808
(48) 4062-1878   |  (71) 4062-9878
(81) 4062-9802   |  (85) 4062-8442

sac@liguesite.com.br

© 2018 Liguesite. Todos os direitos reservados. Leia nossa Política de Privacidade.